23 abril 2022

Toga & Farda

Seguramente seja essa a dupla mais longeva do nosso cancioneiro popular. Formada no Brasil Colônia, desde então domina o hit parede até os dias de hoje. Versáteis, em geral Toga faz a primeira voz e Farda, a segunda. Mas dependendo da temporada, é o Farda que assume a primeira voz e Toga o auxilia na segunda. Assim, entre graves e agudos, a plateia que prepare o pé do ouvido para receber seus trinados.

De vez em quando Toga e Farda entram em conflito, coisa natural entre casais, mas logo voltam às boas. Num show recente, a imprensa noticiou que Farda não gostou de um falsete de Toga durante uma apresentação e reagiu atravessando a nota e desafinou com um insulto. Jornalistas, juristas e douradores de pílulas, por terem línguas presas, chamou o episódio de indulto.

Indulto mesmo é o que parcela da nossa sociedade, especialmente os abastados especuladores, pseudos intelectuais, grande imprensa, togados, fardados e inocentes úteis de toda a espécie, concedem diariamente a um ser abjeto que continua a governar Pindorama mesmo depois de tantos desmandos.

Já se especula que Fã-clubes da dupla prepara um novo grande acordo com Supremo com tudo, para pacificar os artistas, pois o show de horrores não pode parar. O tratado de paz será assinado com caneta Bic e celebrado com um grande churrasco a base de picanha, filé mignon, e regado com cervejas das melhores marcas tudo comprado sem licitação. Importante informar aos menos avisados que esse tipo de comemoração é privado e o respeitável público não tem acesso. Se algum incauto resolver dá uma de penetra, aconselho circular encostado na parede, senão vai dançar kuduro. É bom lembrar que o estoque de próteses peniana, ky gel e viagra na caserna foi reabastecido recentemente.


09 abril 2022

Um Orixá

   

Gilberto Gil, um dos maiores artistas brasileiros de todos os tempos toma posse na Academia Brasileira de Letras. Se o grande Machado de Assis, ao fundar a Academia, pensou em ter ali um templo para cultuar as letras, dessa vez se fez justiça. Gil é um minadouro de letras que formam palavras plenas de significados em favor de vidas e humanidades.

Muito antes de sua posse, Gil já era imortal. Por isso sua chegada à ABL é um gesto de generosidade desse Deus afro-baiano que, por sua obra, merece ser cultuado como a um orixá. Sua clarividente aura clara iluminará definitivamente o salão opaco da Academia onde mervais iletrados tomam chá e se dão importâncias que ninguém vislumbra.

Okê arô! Kaô Kabecilê! Salve o grande Gil. Venham saudar o rei. Axé

28 fevereiro 2022

Quem Enfrentará o Nazismo?

Quem sempre imaginou que o nazismo foi aniquilado pelas forças aliadas no ano de 1945 do século passado, estava redondamente enganado. Quem ainda pensa que o neozismo é residual à meia dúzia de grupos supremacistas aqui e acolá, ou que está circunscrito apenas aos governos na Ucrânia, Hungria e Brasil, está na hora de acordar.

O nazismo nunca morreu.  A forma como africanos, asiáticos e de resto todo o terceiro mundo sempre foram tratados pelo chamado ocidente civilizado é um exemplo de que estes se sentem seres superiores. O pior é que dessa vez não se sabe de onde virá o combate a esse terrível mal. O nacionalista conservador Putin apoiou e foi aliado do fascista Trump. Biden assim como seu antecessor Obama, apoiaram e apoiam o nazista Zelensky. Todos os governantes europeus, sejam eles conservadores ou socialistas (pasmem), apoiam o nazismo ucraniano.

Importante observar que esses apoios não estão restritos aos chefes de governos. Estão também na sociedade ocidental. Querem exemplos? Leiam abaixo declarações de jornalistas, autoridades e analistas da mídia europeia.

“Desta vez, a guerra está errada porque as pessoas se parecem conosco e têm contas no Instagram e Netflix. Não está mais em um país pobre e remoto.”

(Daniel Hannan - Jornalista The Telegraph)

“É muito emocionante para mim porque vejo pessoas europeias de olhos azuis e cabelos loiros sendo mortas”

(Procurador-Geral Adjunto da Ucrânia, David Sakvarelidz)

“Isto não é o Iraque ou o Afeganistão... Esta é uma cidade relativamente civilizada, relativamente europeia"

(correspondente estrangeiro da CBS Charlie D'Agata)

“O que é atraente é olhar para eles, a maneira como estão vestidos. São pessoas prósperas, de classe média. Não são obviamente refugiados tentando fugir do Oriente Médio... ou do norte da África. Eles se parecem com qualquer família européia que você moraria ao lado."

(Âncora da Al Jazeera)

"O impensável aconteceu... Esta não é uma nação do terceiro mundo em desenvolvimento; esta é a Europa!"

(Jornalista da ITV - Reino Unido)

“Para ser franco, estes não são refugiados da Síria, estes são refugiados da Ucrânia... Eles são cristãos, eles são brancos. Eles são muito semelhantes [a nós]" (Jornalista polonês explicando por que a Polônia está aceitando refugiados)

PS. Há vídeos com essas declarações no perfil do jornalista Alan Macleod no twitter. 


15 fevereiro 2022

Trabáia, trabáia nêgo

Recentemente a TV mostrou um flagrante de trabalho escravo realizado pela Superintendência Regional do Trabalho em Sergipe, com a participação da Polícia Federal e do Ministério Público do Trabalho, num canavial na cidade de Capela. Interessante nesse caso é que a matéria jornalística(?) não dizia o nome do senhor de engenho escravagista. Não sabemos as consequências legais contra esse ato criminoso.

Na última segunda feira (14/02), os trabalhadores rodoviários de Aracaju fizeram uma paralização em protesto ao atraso no pagamento de seus salários pelas empresas de transporte coletivo que compõem o Grupo Modelo. Importante observar, que além da atitude legitima dos trabalhadores, ninguém mais se manifesta no sentido de reparar essa flagrante ilegalidade. Prefeitura e outros órgãos que têm o dever de agir, fazem cara de paisagem.

Hoje fui informado que há pelo menos uma empresa terceirizada, prestadora de serviço ao governo do estado, que está há 03 meses sem pagar salários aos servidores. O governo finge que não tem nada com isso.

Pelo jeito a escravidão está de volta em Sergipe. Pior: o Estado parece ter tomado o lado da casa grande.












30 novembro 2021

Predestinação Celestial

Meus amigos e até gente que nunca vi mais gorda, na falta de argumento para tornar menor o meu Glorioso Botafogo, apelam para o tamanho da nossa torcida. A mim não incomoda a tentativa de gozação por dois motivos:

1) Os meus amigos podem pisar no meu coração de tamanco que não dói. Eu os amo. Logo, entro na onda e acho graça.

2) Os outros, não dou ouvidos.

Um dia, os não botafoguenses talvez venham a entender o que é ser Botafogo.

Sim, nós não somos muitos. Porque somos relíquias e preciosidade não se encontra às pencas nas esquinas.

Não é modismo nem boa fase que nos fazem seguir a estrela solitária. Tampouco a derrota que nos abate. O que nos faz alegre a cada conquista e nos rouba lágrimas a cada derrota é a paixão pelo Botafogo.

O Botafogo é uma metáfora da vida real. O torcedor alvinegro tem um compromisso com o sacrifício. É capaz de misturar euforia com pessimismo em escassos 90 minutos. A vida real é assim.

O botafoguense é pessimista. Nunca vi um torcedor do Glorioso cantar vitória antes do jogo acabar. Dizem que Schopenhauer, o filósofo do pessimismo, das coisas que não funcionam, era botafoguense.

Botafoguense é supersticioso. Ele pode ser um ateu absoluto na sua vida cotidiana, mas o seu ateísmo morre no momento em que o Botafogo entra em campo.

Ser botafoguense não se explica. Como diz uma das músicas cantadas nos estádios por nossa torcida “esse sentimento/ninguém entende”.

Nas palavras do mestre Armando Nogueira “o Botafogo é bem mais que um clube – é uma predestinação celestial. Seu símbolo é uma entidade divina. Feliz da criatura que tem por guia e emblema uma estrela. Por isso é que o Botafogo está sempre no caminho certo. O caminho da luz. Feliz do clube que tem por escudo uma invenção de Deus”.

E ninguém cala

Esse nosso amor

E é por isso

Que eu canto assim

É por ti Fogo


12 novembro 2021

Caminhando na Esteira

Nos idos dos anos 70, quando eu tinha 15 pra 16 anos, queria ser jogador de futebol. Para isso não faltava estímulo. Vivíamos um período pós copa de 70 em que havia uma supersafra de craques que inspiravam garotos como eu no mundo todo. Era o tempo de Rivelino, Tostão, Paulo Cézar, Jairzinho, Clodoaldo, Carlos Alberto, Gérson, Ademir da Guia, Dirceu Lopes... e ainda teve um pouquinho do rei Pelé. Estes foram os mais destacados de uma geração que surgira nos anos 60, mas haviam outros. Sem contar os jovens craques que surgiam em sequência, tais como Zico, Sócrates, Falcão, Júnior, Reinaldo, Cerezo, Roberto Dinamite, Marinho Chagas, etc., etc., etc...

Por um pequeno detalhe eu não virei um craque da pelota. Acontece que, apesar de amá-la, eu não tratava a bola com o devido cuidado, hoje eu sei. Aqueles bicudos ao invés do toque sutil com efeito, aquelas matadas na canela quando devia amaciá-la com o dorso do pé a fizeram ir aos poucos se afastando de mim. Percebi a indiferença dela quando nas peladas no campinho da rua Santa Cruz, em frente ao cemitério da Trindade, eu corria pedindo o passe e ela, a bola, nunca chegava. Eu, esbaforido na porta do gol, mãos levantadas aos gritos suplicando por ela e nada. Um homem tem que entender quando um relacionamento acaba.

Depois dessa frustrada tentativa de ser jogador de futebol, na Capela daqueles tempos só me restava ser jogador de sinuca ou de baralho no bar de seu Caçulo. Além da grande concorrência – tinha mais jogadores nas mesas de bilhar do velho Caçulo, do que tem hoje os elencos do Flamengo e Atlético Mineiro juntos – o jogo era apostado. Não é que eu não tivesse vontade de ser um grande jogador de sinuca, uma espécie de Rui Chapéu ou Carne Frita (olha o nome dos caras). Eu não tinha era dinheiro para apostar.

Para manter o físico de atleta eu corria. Na época era moda um tal de teste de Cooper. O tal exercício consistia em correr 2.400 metros em uma velocidade constante. Mole pra mim que desde os 10 anos percorria os 23 km que separam a Capela da Lagoa do Meio.

Certo dia convidei meu amigo João Baguio (o nome da fera decorre disso mesmo que você pensou) para uma corrida dessas.

- Correr atrás de quê? - Perguntou Baguio enquanto apertava os olhos.

- De nada, João, é só uma caminhada daqui até as Barracas para manter o preparo físico.

- Oxente! Me mande agora pra Capela comprar um remédio ou dar um recado que eu vou e volto correndo, mas correr assim pra nada? Tá pensando que eu sou idiota é? – Sem capacidade para tirar a razão do amigo, também desisti de fazer cooper.

Hoje em dia, depois que ganhei uma barriga sex(agenária) e uma pressão arterial na casa dos 16 por 10, me vi obrigado a voltar a praticar o velho cooper. Gosto de caminhar na praia, mas não resolve. A caminhada ali não passa de um prazeroso passeio. Caminhar nesses calçadões em tempo de pandemia com uma máscara na cara também não, né? Bem, a solução foi andar na esteira da academia do condomínio.

Não tem um dia que eu suba naquela bendita esteira para não me lembrar de João Baguio e me sentir um grandíssimo idiota. Se andar para algum lugar, que não seja para comprar algo ou dar algum recado, já é coisa de otário, imagine andar do nada para lugar nenhum. Além de caminhar em direção ao nada, o horizonte que tenho na minha frente é uma parede com uma televisão pendurada. Por conta da pandemia, a sindica determinou que só pode uma pessoa de cada vez na academia, logo, não há nenhum outro idiota com quem eu possa falar idiotices e passar o tempo. O jeito é ligar a TV. Aí já é outro problema.

Depois de anos sem usar jornais televisivos, devidamente desintoxicado, estou eu de novo consumindo essa droga. Se aquilo que eu consumia há 20 anos já era tóxico imagine agora que o jornalixo virou uma mistura de Fantástico - onde os governos são retratados como alecrins dourados -; Show da Xuxa – onde a plateia manda fotos, beijos pra mãe, pro pai e para a Xuxa que estiver na bancada -; e Datena. Me sinto aquele personagem vivido por Jô Soares que acorda depois de anos em coma e, ao descobrir no que o mundo se transformou, pede para voltar a ser intubado.

A única coisa que não mudou no jornalismo da TV foi a seção Datena. Ali, no mundo cão, dá pra ver que mulheres, negros e gays, se forem trabalhadores, continuam apanhando, sofrendo e sendo mortos.

Uma das reportagens desses dias, destaca, um caso em que um policial encheu de porrada um motoboy porque este atrasou a entrega de um medicamento para sua filha doente. A matéria mostra as “ibagens” de dentro da farmácia, onde o puliça senta a mão no motoboy que não esboça nenhuma reação. Segundo a reportagem o policial valente justifica sua violência pelo atraso do motoboy na entrega do remédio o que é negado pelo rapaz que mostra seu GPS e os horários. Ou seja, se houve atraso não foi do motoboy que é só o leva e traz do bagulho, ops, da droga. De quem é, afinal, a responsabilidade pelo atraso? A reportagem não quis saber e se deu por satisfeita com as duas versões. O delegado do caso, que por acaso (e só por acaso) é colega de trabalho do brabo, em duas entrevistas concedidas diz que está colhendo os depoimentos para a elucidação do crime, porém já descobriu que, “embora o policial tenha exagerado, realmente o motoboy atrasou”. Entendi. Estão aí a motivação e o atenuante que humanizará o violento servidor público. Vocês acham que vai sobrar pra quem?

( ) Dono da farmácia;

( ) Policial

( ) Motoboy

E é assim que a esteira da humanidade caminha rumo ao lugar nenhum e nos faz diariamente de babacas.  


06 novembro 2021

A PERNAS CURTAS DA MENTIRA

Li nas mídias declarações de uns deputados que votaram a favor da PEC do Calote (Precatórios), dando a justificativa de que o fizeram para combater a fome dos mais pobres. É MENTIRA.

A verdade está na revelação do deputado Celso Maldaner (MDB-SC) que é gravíssima. Ele disse que, cada deputado que votou a favor da #PECdoCalote, foi beneficiado com R$ 15 milhões em emendas. "Foi distribuído para quem votou com o governo", afirmou o parlamentar.

O governo Bolsonaro liberou R$ 1,2 BILHÃO do orçamento secreto para os deputados votarem a favor da tal PEC dos Precatórios. Essa é a dimensão da importância da decisão de Rosa Weber. As emendas do relator são a espinha dorsal do esquema de corrupção montado para sustentar Bolsonaro.

A decisão da ministra Rosa Weber tem um papel educativo muito importante. Mostrar para os negacionistas do orçamento secreto que a prática não é republicana.

Sem orçamento secreto, Arthur Lira se esvazia. Perde o cacife para negociar votos ao telefone, enquanto preside as sessões - uma imoralidade assistida ao vivo pelos brasileiros. 


Toga & Farda

Seguramente seja essa a dupla mais longeva do nosso cancioneiro popular. Formada no Brasil Colônia, desde então domina o hit parede até os d...