28 março 2021

É Genocídio

Na semana que passou entramos na casa dos 3 mil mortos por dia pela COVID-19. Os cientistas e estudiosos preveem que nas próximas semanas esse número superará 4 mil mortes diárias. Já são mais de 310 mil pessoas mortas pelo vírus em apenas um ano.

Estamos sendo dizimados enquanto aqueles que deveriam adotar medidas de enfrentamento ao inimigo, assistem a tudo igual faziam as autoridades romanas quando do alto de seus camarotes no Coliseu, aplaudiam os cristãos serem devorados pelos leões.

Interessante observar que nossas autoridades não estão sozinhas na arena. Nos últimos dias a artista Xuxa, famosa "rainha dos baixinhos", referência para muitos de várias gerações de brasileiros, numa entrevista on-line na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro, criticou os direitos humanos e defendeu que presidiários servissem de cobaias em experimentos para remédios e vacinas contra a COVID-19 e arremata dizendo que os detentos "serviriam para alguma coisa antes de morrer".

Nessa cruzada fascista, Xuxa tem a companhia da deputada paulista, Janaina Paschoal, a "musa do impeachment". Um dia após Xuxa, Janaína defendeu que se priorize salvar os mais jovens em detrimento dos idosos. "As vidas daqueles que viveram menos me preocupa mais." A deputada continua: "Aliás, penso que já estejamos no momento de estabelecer claramente regras para priorizar o uso dos recursos disponíveis: leitos, respiradores, etc. É pesado, mas é necessário!". Do túmulo, Hitler, Mengele, Goebbels, certamente aplaudem a tudo isso regozijados.

Não pensemos que as falas das ilustres damas são vozes isoladas nesse pensamento. A cada dia que passa fica mais claro que o fascismo na sociedade brasileira é estrutural. Precisaríamos de uma revolução cultural para mudar essa realidade. Enquanto não acontece, caminhamos cordiais para o abatedouro.

Há um filme no Netflix, chamado A Grande Mentira - permitam-me o spoiler - que conta uma história onde 03 agentes do Mossad vão sequestrar um criminoso nazista que vive em Londres, e levá-lo para ser julgado em Israel. Num determinado momento do filme, o nazista já preso e dominado, provoca o agente que lhe serve a comida, com a seguinte fala:

"Porque você acha que foi tão fácil exterminar seu povo? A sua fraqueza. Eu as via. Todos os dias eu as via. Todos eles pensando apenas em evitar serem açoitados, chutados ou mortos. Todos pensando apenas em si mesmos. Porque você acha que foi preciso apenas quatro soldados para conduzir mil pessoas até as câmaras de gás? Porque nenhum teve coragem de resistir. Nenhum se sacrificou. Nem mesmo quando levamos embora suas crianças. Então eu sabia que seu povo não tinha o direito de viver."

            Tomara que tanta semelhança seja mera coincidência. 


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado por seu comentário!

Não Verás País Como Este!

Viralizou na internet um vídeo onde a nata da elite econômica nacional rir e graceja enquanto um dos seus imita o presidente Messias. Claro ...