09 abril 2021

Um Sonho Quase Real

Alto, forte, negro com traços indígena, cabelos ralos e finos, bigode amarelado pelo sarro do pé duro, Carlos era considerado o melhor trabalhador braçal daquelas redondezas desde o Tabocal até o Quem Dera. Tinha pouco apreço ao banho, daí ganhou o apelido de Barrão.

Passo ligeiro, espingarda de fecho no ombro, bagoga nos beiços, um bocó de encerado atravessado no peito e dentro dele, num dos compartimentos uma mochila de pano com farinha seca, duas bananas e uma tora de toucinho lhe serviriam de almoço. No outro, uma caixa de espoleta, uma cabaça de pólvora, uma mancheia de chumbinho, um pedaço de croá para servir de bucha, era o arsenal usado por Carlos para caçar nambu, perdiz, rolinha e outros bichos. A caminho do roçado, corria tudo por entre veredas dentro dos pastos, saltando riachos, pulando cercas e se misturando ao gado.

Conhecido de todos, Carlos Barrão andava nas vilas arrematando prendas em leilões, dançando forró e bebendo cachaça limpa fabricada nos muitos alambiques da região. Abria porteiras, cancelas e avançava sítios e fazendas adentro como se fossem suas propriedades, falando e pilheriando com todos, homens, mulheres e meninos, em troca recebia, sorrisos e aconchegos como boas-vindas.

Além dessa rotina, apenas duas festas eram capazes de mobilizar Carlos Barrão e todas as outras pessoas que ali viviam: a Festa de Nossa Senhora da Purificação, padroeira da Capela, todo dia 02 de fevereiro e as Eleições. Sim, as eleições eram um dia de festa para aquele povo.

Como era Ditadura no Brasil, só havia eleições para alguns poucos cargos e, nas cidades do interior, somente aconteciam de quatro em quatro anos.  Quando chegava o dia 15 de novembro era visível a excitação e a ansiedade que tomava conta de todos enquanto esperavam os veículos da justiça eleitoral que vinham buscá-los para votar. Naquele canto do mundo, era o único momento em que o Estado se fazia presente.

Muitos sequer esperavam esse transporte. Logo cedo arreavam seus cavalos e se mandavam para a cidade. Carlos era um dos primeiros a aparecer no centro do povoado, se exibindo montado num cavalo castanho. Analfabeto, Barrão jamais frequentou uma escola. Num tempo em que analfabeto não tinha o direito de votar, ele nunca deixou de ir a uma Festa das Eleições.

Chegava cedo na cidade, se dirigia à Rua do Riacho ali nos fundos do Grupo Novo onde morava seu primo Lô. No amplo quintal amarrava o cavalo no mourão da cocheira, colocava uma touceira de sempre verde pro animal remoer, desencilhava os arreios e saia a pés pela cidade procurando conversa e gastando o tempo até a hora do almoço. Os candidatos a prefeito para exibirem demonstração de força, matavam bois e faziam mesas fartas para seus eleitores. Assim, além de fidelizar o eleitor, monitorava seu voto. Valia tudo por um voto, mesmo que o eleitor, como Carlos Barrão, só tivesse a panca de eleitor.

Pose de eleitor, Barrão sabia fazer. Se aproximava do candidato, elogiava a campanha, dava opinião sobre como conquistar o voto indeciso e com isso chamava a atenção do politico que se interessava por ele prestando-lhe melhor atenção. E atenção era tudo que Carlos queria. Mesmo na Lagoa do Meio, a maioria das pessoas achava que ele realmente era eleitor. Aliás, até ele acreditava nisso.

Anos mais tarde uma emenda constitucional foi aprovada pelo Congresso Nacional dando direito aos analfabetos votarem. Quando soube disso Carlos não acreditou no portador da notícia. Botou a certidão de nascimento no bolso, selou seu cavalo e disparou pra Capela. Apeou o sendeiro na porta do cartório de Honorino que lhe confirmou a boa nova. Naquela mesma hora entregou seu registro e saiu de lá com o título na mão. Não se continha de emoção. Não precisava mais fazer de conta. Agora era um eleitor de verdade e só pensava na eleição que se aproximava.

Faltavam nove dias para as eleições de 1986. Barrão chegou da roça, sentou num cocho que servia de banco na varanda de seu chalé, acendeu um pacaio deu dois tragos e caiu. Corre, acode, chama a rezadeira... não tinha mais jeito. Passou o vento mal e o coitado nem teve tempo de gritar.

Carlos morreu de um infarto fulminante a poucos dias de realizar seu maior sonho. Votar. Ser um eleitor de verdade.


2 comentários:

  1. Mesmo sem ser um eleitor de verdade, Carlos Barrão foi um cidadão que compreendia a importância do voto popular.

    José Augusto da Silva

    ResponderExcluir

Obrigado por seu comentário!

Não Verás País Como Este!

Viralizou na internet um vídeo onde a nata da elite econômica nacional rir e graceja enquanto um dos seus imita o presidente Messias. Claro ...